sábado, 30 de julho de 2011

Lembrança Espectral

Espectro que evoca imagens do passado.
Fantasma que retoma o que havia se perdido.
Trazendo então à tona o que fora enterrado.
Lançando aos nossos olhos o que fora esquecido.

Se diverte quando vê noss’ alma despedaçada,
e na garganta sempre preso o grito que nos sufoca.
O terror brilha nos olhos, respiração estagnada
pela dor que advêm das memórias que invoca.

O sorriso vai ao longe nessa hora tão sombria.
A esperança de haver pra essa dor uma medida,
Se desfaz ante o horror que a memória nos impele

A  lembrança que julgamos a muito esquecida,
nos relega então agora a uma noite de agonia,
sem ter quem por pena ou culpa o nosso sono vele.

4 comentários:

Palavras!! disse...

"Velar um sono vai além da companhia...
Fantasmas e evocações do passado são mais que imagens...
Nessa nevoa criada... se encontra o Eu que invoca... resta saber o que este fará com as memórias imposta..!"

Linda poesia... Abraço.

Arcanjo disse...

Obrigado minha Dama, como sempre extremamente gentil em suas palavras... bjos.

guímel disse...

As sombras usam subterfúgios e artimanhas para se alimentar prendendo-nos ao passado, mas não deixam de ser ilusões e querem escravizar com as lembranças...
Mesmo ausente estou sempre aqui, no seu espaço sorvendo de lindas poesias.

Be ijos meus

Arcanjo disse...

Obrigado minha estrela, saber que você tá sempre por aqui me faz muito bem...

Minha foto
Sou o que sou. Sou incoerente por vezes, sou sonhador sempre, temo o desconhecido sem contudo deixar de arriscar, tenho planos e projetos, construí e e ví cair em minha frente castelos. Como un anjo voei ao céu mas longínquo, e como um cometa caí. A queda de machucou, contudo me fez mais forte. Sou falho e impreciso. Simplesmente indefinível, enfim sou apenas humano.