sexta-feira, 26 de novembro de 2010

Dom Quixote

Me chamam de louco, mas sigo avante.
Me mandam parar, porém sempre tento.
Me chamam de louco pois vejo gigantes,
onde todos vêem moinhos de vento

Me chamam de louco por crer na pureza.
E viver uma vida bela, sem igual.
Me chamam de louco pois vejo uma princesa
onde todos vêem só uma serviçal.

Me chamam de louco pois vivo sonhando,
me ofendem dizendo que perdi a razão.
Porém não me importo e sigo cavalgando,
monto o Rocinante meu belo alazão.

Me chamam de louco e não me oponho,
pois a realidade é uma grande tortura.
Se para ser são me livro de meu sonho,
prefiro morrer em minha loucura.



3 comentários:

guímel disse...

Meu querido Arcanjo!

Simplesmente sensacional, com palavras suaves e profundas foi tecendo esta linda poesia...
Dispensa comentário, mais do que completa.

Bjsss

~*Rebeca e Jota Cê*~ disse...

A loucura é brilhante e sempre tem um "q" de genialidade.

Maravilhoso sábado.

Rebeca

-

Arcanjo disse...

Guímel, como sempre de uma gentileza ímpar... se eu escrevesse pra merecer metade de seus elogios podia me considerar o Camões... kkkkkkkkkkkkkk obrigado pelo carinho

Rebeca que bom que você gostou, tava dando uma olhada em seus blogs e também gostei muito, legal a forma como você e seu marido se falam, se tratam e a cumplicidade na hora de descrever um ao outro... obrigado pelo elogio e fique a vontade pra voltar quando quiser.

Minha foto
Sou o que sou. Sou incoerente por vezes, sou sonhador sempre, temo o desconhecido sem contudo deixar de arriscar, tenho planos e projetos, construí e e ví cair em minha frente castelos. Como un anjo voei ao céu mas longínquo, e como um cometa caí. A queda de machucou, contudo me fez mais forte. Sou falho e impreciso. Simplesmente indefinível, enfim sou apenas humano.