quarta-feira, 21 de março de 2012

O Equilibrista


Vivendo sempre um dia por vez.
Me equilibrando em cima do fio da navalha.
Sem rede de proteção ou coisa que o valha
Prossigo tentando esquecer meus porquês.

Respostas, talvez um dia eu tenha
Na verdade agora não importa mais.
Já posso em meio ao caos sentir paz,
não faz diferença o mal que me venha.

Sempre em frente sigo caminhando,
não olho pra trás, não quero cair.
Em minhas palavras me equilibrando,
achando nas letras razão pra sorrir.

Equilibrista das letras, um insano a voar,
Não temo o que possa me trazer o dia.
Pois se o mundo lá fora quer me derrubar
Equilíbrio encontro em minha poesia

Um comentário:

Palavras!! disse...

E assim vamos vivendo...

...* Se Equilibrando no fio da navalha... onde nunca andamos pela ponte e sim por suas beiradas, observando cada passagem e cada instante que a vida nos oferece a nos encantar..*

( Me lembro dessa conversa. E é muito bom ver que certas loucuras postas na mesa... são motivos de inspiração. Bela Poesia.)

Abraço.

Minha foto
Sou o que sou. Sou incoerente por vezes, sou sonhador sempre, temo o desconhecido sem contudo deixar de arriscar, tenho planos e projetos, construí e e ví cair em minha frente castelos. Como un anjo voei ao céu mas longínquo, e como um cometa caí. A queda de machucou, contudo me fez mais forte. Sou falho e impreciso. Simplesmente indefinível, enfim sou apenas humano.